Os esportes paraolímpicos crescem mais a cada ano. Já são mais de 20 modalidades de uma história que começou logo após a 2ª Guerra Mundial. Atualmente, o evento é uma categoria de esportes de alto rendimento e o seu desmembramento mostra a importância da categoria: Paraolimpíadas, Jogos Paraolímpicos de Inverno e as Paraolimpíadas escolares são alguns exemplos.

Diante desse crescimento, é necessário que os atletas sejam profissionalizados e, sendo assim, a presença de um preparador físico – o profissional de Educação Física – é imprescindível. Trabalhar com esse público requer um conhecimento muito mais aprofundado da realidade diária desses atletas, além de aspectos fisiológicos e cognitivos específicos de cada tipo de deficiência.

Você já experimentou praticar o voleibol sentado?

O sistema de classificação parece ser bastante complexo, passando por avaliações médicas, técnicas e funcionais para poder nivelar ao máximo os atletas participantes. Conhecendo-se o sistema, pode-se inclusive, detectar talentos em escolas e prepará-los para as competições. Outra experiência interessante é participar de atividades onde se possa vivenciar a experiência desses atletas – em outras palavras, participar de jogos dentro das modalidades, de forma recreativa. Tente jogar uma partida de voleibol sentado ou um futebol para cegos e você vai poder perceber a dificuldade na prática.

Um dos profissionais mais proeminentes nessa área é o professor de Educação Física Sérgio Castro, que recentemente foi nomeado Diretor de Esportes do Departamento de Esportes para Portadores de Necessidades Especiais da Vice-Presidência Executiva de Esportes da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (SUDERJ) e com participação ativa em diversas entidades da categoria, entre elas a Associação Brasileira de Desportos em Cadeira de Rodas (ABRADECAR), comitês olímpicos e Ministério do Esporte.

Ele traz toda sua experiência para o 6º Congresso Carioca de Educação Física com o curso Atividades adaptadas para a EF escolar e vai mostrar atividades para se praticar com as diversas populações especiais e como lidar com elas no dia-a-dia. O curso tem uma extensa parte prática, onde os participantes poderão vivenciar algumas modalidades que estarão presentes nos próximos grandes eventos esportivos. Essa vivência irá trazer mais conhecimentos para você e uma consciência maior do que é o esporte paraolímpico. Esse é o melhor caminho para a valorização das modalidades e dos atletas que necessitam constantemente de apoio.

Participe desse e de outros cursos do módulo escolar e aproveite nossa política de descontos. Se você quiser enviar algum artigo científico com temas relacionados à esportes adaptados, conheça as normas de publicação para a Revista Carioca de Educação Física.

Gostou desse artigo? Compartilhe!

© 2010 / 2018 – CCEF – Congresso Carioca de Educação Física – contato@congressocarioca.com.br – Criado pela Kamus – Hospedagem WordPress